Impressora 3D permite que cegos sintam as obras de arte

Foto ilustrativa

"Hoy Toca el Prado" ofereceu aos deficientes visuais a oportunidade de experimentar as obras de arte com as mãos

Compartilhar:

O que para a maioria das pessoas é possível, poder interpretar e obter a sensação que somente as consagradas obras de artes plásticas podem transmitir, torna-se algo surpreendente e novo para os deficientes visuais. Em decorrência da tecnologia e da atenção de pessoas interessadas em democratizar o acesso à arte, os cegos já têm a oportunidade de desfrutar de um projeto feito exclusivamente para permitir o contato mais próximo com telas de pintores consagrados 

Com o uso da tecnologia das impressoras 3D e softwares como Catia V5, o Museu do Prado, localizado em Madri, na Espanha, recebeu uma exposição revolucionária, na qual réplicas de pinturas famosas foram reproduzidas em material de alto-relevo, com três dimensões e definição absoluta 

Por causa desse alto desempenho tecnológico, o trabalho intitulado "Hoy Toca el Prado" ofereceu aos deficientes visuais a oportunidade de experimentar as obras de arte com as mãos, tocando sensivelmente cada contorno, textura e outros detalhes que fornecessem todas as informações necessárias para entender as obras de arte.

USO DO SERVIÇO DE IMPRESSÃO 3D NA TÉCNICA DIDÚ
A "Hoy Toca El Prado", mostra de arte para deficientes visuais, reproduziu quadros de pintores como Leonardo da Vinci, Velásquez e Goya através de uma técnica de impressão de alta definição nomeada Didú. O trabalho científico e tecnológico foi elaborado integralmente pelos pesquisadores da Espanha.

Para chegar à perfeição de transmitir em alto-relevo todas as sutilezas que os pintores gravaram nas telas originais, os profissionais usaram materiais que pudessem ser impressos através de camadas, como acontece com o resultado do trabalho das impressoras 3D.

A única diferença entre uma impressora 3D tradicional e a técnica utilizada pelos pesquisadores espanhóis na mostra de arte para deficientes visuais está na composição química dos elementos utilizados para a impressão em camadas.

ETAPAS DE REPRODUÇÃO DE OBRAS DE ARTE COM TECNOLOGIA DE IMPRESSORA 3D
A técnica chamada Didú trabalhou com etapas bem definidas para conseguir "imprimir" quadros de superfície elevada praticamente perfeitos. Em primeiro lugar, foi necessário escanear em alta definição a imagem da pintura original. Para exprimir aos deficientes visuais a totalidade da obra de arte, nada poderia escapar da etapa de escaneamento da figura.

Após a captura correta da tela a ser reproduzida, a técnica espanhola baseada nas impressoras 3D selecionou componentes químicos e texturas com o volume adequado para a reprodução precisa das telas e para que os cegos fossem capazes de deslizar as mãos com delicadeza e, ainda assim, obter todas as informações contidas no quadro.

Uma tinta especializada para a reprodução das obras de arte para cegos foi utilizada pelos pesquisadores durante o trabalho e, com cerca de quarenta horas de dedicação, a réplica podia ser impressa 

UMA AUTÊNTICA OBRA DE ARTE PARA CEGOS
A técnica de reprodução de obras de arte para deficientes visuais, baseada em impressão 3D, foi um sucesso e comprovou a possibilidade de unir tecnologia com inclusão social e cultural, pois as réplicas ficaram praticamente idênticas às obras primárias.

A mostra "Hoy Toca El Prado" expôs seis pinturas, contando com um dos quadros mais apreciados do mundo e uma referência histórica da arte, a Monalisa, de Leonardo Da Vinci. Todas as telas eram acompanhadas de informativos feitos em braile.

Compartilhar: