‘Todos os escândalos do PT passam pela Casa Civil’, diz líder do PPS

Foto: Agência Câmara

Rubens Bueno: "É o principal cargo do governo e é preciso ter alguém com relações com o mundo empresarial, da propina, do negócio"

O PPS estuda que medidas tomará em relação ao ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e sua relação com empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

"Todos os escândalos do PT passam pela Casa Civil", disse o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), citando José Dirceu, Antonio Palocci, Erenice Guerra e a própria presidente Dilma Rousseff, todos nomes que já comandaram a pasta.

"É o principal cargo do governo e é preciso ter alguém com relações com o mundo empresarial, da propina, do negócio", afirmou o parlamentar.

Interceptações de mensagens de celular ao qual a reportagem teve acesso indicam que Wagner teria ajudado o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro a negociar liberação de pagamento com o Ministério dos Transportes em 2014. Pinheiro foi condenado a 16 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa no esquema desenvolvido dentro da Petrobras.

As mensagens também apontam para supostas tratativas envolvendo Wagner, então governador da Bahia, de financiamento de campanhas da eleição municipal de Salvador em 2012.

Procurado desde o final da tarde de quarta-feira, 6, Jaques Wagner ainda não se manifestou.


LEIA MAIS…

Dilma não cita Wagner, mas diz que todos podem ser investigados

A presidente Dilma Rousseff evitou comentar o aparecimento do nome do ministro Jaques Wagner (Casa Civil) nas investigações da Lava Jato. Questionada sobre o impacto das investigações de um ministro tão próximo a ela, Dilma não citou o nome de Wagner, disse que seu governo apoia todas as investigações, mas destacou que é preciso garantir o direito de defesa. "Eu tenho certeza que poucos governos tiveram uma relação tão clara, tão explícita na garantia das condições de investigações", disse. 

Conforme revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo nesta quinta-feira, 7, um conjunto de mensagens telefônicas de texto recolhidas pela Lava Jato revela a proximidade do empreiteiro Léo Pinheiro, da construtora OAS, com importantes nomes ligados, direta ou indiretamente, ao PT e ao governo da presidente Dilma Rousseff: Jaques Wagner, ministro da Casa Civil, Fernando Haddad prefeito de São Paulo, e Aldemir Bendine, presidente da Petrobras. Nenhum dos três é investigado na operação.

Dilma disse que todos podem ser investigados e afirmou que ela mesma já deve ter sido alvo de apurações. "Eu tenho clareza que devo ter sido virada do avesso. E tenho clareza também que podem continuar virando dos avessos. Sobre a minha conduta não paira nenhum embaçamento, nenhuma questão pouco clara", afirmou, ressaltando que apoia "integralmente" o trabalho do Ministério Público e da Polícia Federal. 

Dilma disse que, como presidente da República, entende "perfeitamente" a importância das diferentes operações que ocorreram no País. Para ela, as investigações permitirão que, no médio e longo prazos, as relações com recursos públicos, tanto dos agentes privados como do governo, melhorem. "A impunidade hoje no Brasil começou a ser, de fato, ameaçada. E doa a quem doer", afirmou. "Não é possível ter dois pesos e duas medidas."

A reportagem revelou que o conteúdo das mensagens mostra que Leo Pinheiro, condenado a 16 anos de prisão, atuou por interesses dos petistas em episódios distintos. No caso de Wagner, há negociação de apoio financeiro ao candidato petista à prefeitura de Salvador em 2012, Nelson Pellegrino, como também pedidos de intermediação do então governador da Bahia com o governo federal a favor de empreiteiros.

Ainda sem citar o ministro, Dilma disse que é preciso manter o direito de defesa e criticou o que chamou de "espetacularização". "Tenho muito medo da espetacularização e vazamentos. Vazamentos não se dão em um quadro de apuração de responsabilidade", disse. 

A presidente voltou a citar que as investigações devem punir pessoas que cometem atos ilícitos e não as empresas. "Nós não podemos acreditar que destruir empresas seja uma ação adequada para combater a corrupção", disse. "Se pune pessoas, não se destrói empregos e empresas", disse.

Petrobras
Dilma falou rapidamente sobre a Petrobras durante o café com jornalistas. Disse que a empresa "não é a Lava Jato". Ela destacou ainda que as dificuldades econômicas mundiais como o preço do petróleo atrapalham a empresa. "Não sabemos qual será o piso do petróleo. Ninguém sabe."

Compartilhar: