Temer: É imprescindível restaurar equilíbrio das contas públicas

FOTO: MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL

"E a primeira medida, ainda que modestamente, está aqui representada. Já eliminamos vários ministérios da máquina pública", disse Temer, em referência à posse de seus ministros

Em seu primeiro discurso após ter tomado posse como presidente em exercício da República, Michel Temer procurou mostrar-se comprometido com a recuperação da economia brasileira. "Nosso maior desafio é estancar queda da credibilidade econômica", afirmou o peemedebista. Segundo ele, é imprescindível restaurar as contas públicas e, quanto mais rápido isso for feito, mais rápido o crescimento será retomado. 

"E a primeira medida, ainda que modestamente, está aqui representada. Já eliminamos vários ministérios da máquina pública", disse Temer, em referência à posse de seus ministros, que ocorreu pouco antes de seu discurso. Com a fusão de algumas pastas, o número de ministérios caiu de 31 para 24. "E não vamos parar por aí. Já estão encomendados estudos para eliminar cargos comissionados e funções gratificadas desnecessárias", disse.

Temer também declarou que pretende ampliar os reforços para reduzir a inflação. "Inflação alta atrapalha crescimento, desorganiza a atividade produtiva e turva o horizonte de planejamento dos agentes econômicos. E a classe trabalhadora e os segmentos menos protegidos são os que pagam a parte mais pesada", disse o presidente em exercício. "Para isso quero contar com os ministros, o Parlamento e o povo brasileiro", acrescentou.

Além disso, ele afirmou que o maior objetivo do seu governo será a redução do desemprego. "Tenho tido contato em todas as partes do País e com as famílias desempregadas e vemos o desespero destes brasileiros, que contam com um País que tem uma potencialidade extraordinária e não tem uma política econômica geradora de empregos", declarou Temer. Disse ainda que pretende prestigiar os produtores rurais, tanto os da agricultura familiar quanto os do agronegócio, e os micro, pequenos e médios empresários.

Um recado também foi dado aos operadores do mercado financeiro em relação ao trabalho do Banco Central (BC). "Quero tranquilizar os mercados: serão mantidas todas as garantias que a direção do BC hoje desfruta para fortalecer a atuação na política monetária e fiscal", afirmou o peemedebista. 

Temer disse ainda que o mundo está de olho no Brasil. "Eles acompanham com grande interesse as mudanças em nosso País. Havendo condições adequadas, a resposta será rápida, com grande quantidade de recursos do mercado internacional", afirmou. Para isso, ele afirmou que é preciso dar eficiência aos gastos públicos, "coisa que não tem merecido maior preocupação do Estado". "Precisamos de uma democracia da eficiência", disse.


LEIA MAIS…

Temer afirma que manterá programas sociais e que Lava Jato vai prosseguir

O presidente em exercício Michel Temer (PMDB) afirmou na quinta-feira, 12, na cerimônia de posse dos ministros de seu governo, que vai manter e aprimorar os programas sociais do governo. O peemedebista prometeu ainda trabalhar em parceria com a iniciativa privada para retomar o crescimento do País. 

"Vamos manter os programa sociais, como o Bolsa Família, Pronatec, Fies, Prouni, Minha Casa Minha Vida. São todos projetos que deram certo", disse. "Aliás, devemos completá-los e aprimorá-los. Temos que acabar com o mito de destruir o que foi feito de bom em outro governo. "

O presidente em exercício disse ainda que não fará nenhuma reforma que altere os direitos dos brasileiros. "Quando me pedirem alguma coisa vou seguir o que diz o livrinho, a Constituição Federal", disse.

O peemedebista afirmou ainda que planeja trabalhar com a iniciativa privada para retomar a atividade econômica do País. "Ao Estado compete cuidar da segurança, saúde educação, dos espaços fundamentais que não podem sair da esfera pública. O restante terá que ser compartilhado com a iniciativa privada em conjunto com trabalhadores e empregadores", afirmou.

Lava Jato
Temer afirmou ainda que as investigações no âmbito da Lava Jato vão prosseguir. "A Lava Jato ganhou relevância e vai prosseguir. Ela não perderá força. Ela precisa de proteção contra qualquer tentativa de enfraquecê-la", disse.

O presidente em exercício afirmou ainda que vai trabalhar pela melhoria da governança pública. "Vamos fazer isso por meio dos instrumentos de controle e apuração de desvios", disse.

Pacto federativo
O peemedebista afirmou também que vai propor a revisão do pacto federativo e trabalhar em parceria com o Congresso. "Vou propor a revisão do pacto federativo. Estados e municípios precisam ganhar autonomia verdadeira, sob a égide de uma federação real", disse. "A forma da União deriva da força dos Estados e Municípios."

Temer afirmou que reconhece os desafios das reformas e, por isso deseja uma base parlamentar sólida e apoio da população. "Vamos precisar muito da governabilidade. Precisamos do apoio do povo. O povo precisa colaborar e aplaudir as mudanças que venhamos a tomar", disse.

Compartilhar: