Temer define Meirelles para a Fazenda

FOTOS: REPRODUÇÃO

Em entrevista ao jornal O Globo, Temer admitiu que, se tivesse de assumir hoje a Presidência, o ministro da Fazenda seria Meirelles: "Fiquei muito bem impressionado com a conversa que tive com ele"

Com a ressalva de que não divulgará a nova equipe até a decisão do Senado sobre o afastamento da presidente Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer admite que o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles é o nome que tem para assumir o Ministério da Fazenda. Temer já encaminhou o desenho do que espera para os principais ministérios e os nomes que melhor se adaptam ao perfil que traçou para seu governo.

O enfoque na Fazenda será a execução de um ajuste fiscal gradual capaz de garantir a retomada da confiança, que impulsionará o crescimento. Meirelles se encaixa no diagnóstico feito ao vice-presidente pelo também ex-presidente do BC Armínio Fraga, de que o centro do problema da crise econômica do País é o desequilíbrio fiscal.

Em entrevista ao jornal O Globo, Temer admitiu que, se tivesse de assumir hoje a Presidência, o ministro da Fazenda seria Meirelles: "Fiquei muito bem impressionado com a conversa que tive com ele".

Meirelles tem defendido o que batizou de "ajuste completo". O acerto das contas deve ser parte de um plano de desenvolvimento econômico que, embora contracionista no curto prazo, vise ao crescimento ao fim do processo, com aumento da renda e do emprego. O ex-BC compartilha da visão de que a carga tributária atual é "pesada" demais.

Banco Central
A escolha do novo ministro da Fazenda será preponderante na definição do nome do futuro presidente do Banco Central. No entanto, o comando dos bancos públicos deve ser definido pelo próprio vice nas negociações da composição de apoio partidário para seu governo no Congresso.

A presidência da Caixa deve ficar com o PP. O nome mais cotado é o do ex-ministro da Integração Nacional do governo Dilma Gilberto Occhi, que é funcionário do banco.

O grupo de Temer já rediscute a junção de várias Pastas num superministério de infraestrutura. A avaliação é de que a união dos ministérios não deu certo no governo Collor, na década de 90 e não faria sentido repetir a receita agora.

Planejamento
O senador Romero Jucá (PMDB-RR) é o mais cotado para o Planejamento. Ele terá papel fundamental na articulação das medidas com o Congresso, em especial na solução da "armadilha fiscal" que espera Temer caso assuma a Presidência. Para a Casa Civil, já está certo o nome de Eliseu Padilha (PMDB-RS).

O senador José Serra (PSDB-SP) tem poucas chances de ser nomeado para a Fazenda. Assessores de Temer tentam convencer o tucano a aceitar o Ministério da Educação. A resistência continua sendo de uma ala do PSDB que teme que um eventual bom desempenho de Serra no ministério o credencie como candidato do partido em 2018. O PSDB já tem dois presidenciáveis: o senador Aécio Neves e o governador Geraldo Alckmin. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


LEIA MAIS…
Meirelles já alinha discurso com novo ideário do PMDB

Há pouco mais uma semana, Henrique Meirelles foi palestrante no Brazil Summit. O tradicional evento anual realizado em Nova York pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, ocorreu no dia seguinte à votação da primeira fase do impeachment. Estava lotado. Meirelles, que é o nome de Temer para o Ministério da Fazenda caso assuma a Presidência, enumerou os itens que considera importantes para tirar o Brasil da recessão e iniciar a retomada do crescimento. 

Defendeu a melhoria do ambiente de negócios para incentivar a volta dos investidores, especialmente na área de infraestrutura. Citou a importância da abertura comercial. Falou da necessidade de o País enfrentar reformas, como a da Previdência, que possam aliviar o crescimento dos gastos no longo prazo, frear e, mais adiante, a reduzir a dívida pública. Entrou até em temas polêmicos, ao dizer que é preciso suportar provisoriamente um aumento de impostos. 

Quem conhece o "Uma Ponte para o Futuro", documento que reúne propostas do PMDB para a economia, sabe que boa parte dessas medidas está lá. Apesar de alguns integrantes do PMDB refutarem aumento de impostos, respeitados especialistas em finanças públicas garantem que é impossível escapar de uma alta no curto prazo. 

Se estiver valendo cada palavra que proferiu no evento, não há como negar que Meirelles estaria alinhado com um eventual governo de transição liderado por Michel Temer. Mas é preciso também lembrar que o documento reúne uma espécie de consenso entre os economistas ditos liberais, por assim dizer, e que existe um abismo entre a intenção e a possibilidade concreta de tirar cada proposta do papel. Não basta ser capaz de concordar com elas. A passagem de Joaquim Levy pela Fazenda mostrou isso.

Compartilhar: