PF deflagra nova fase da Lava Jato, e prende amigo de Lula

Foto: Reprodução

O empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, foi preso preventivamente em Brasília pela Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 24, a Operação Passe Livre, 21ª fase da Operação Lava Jato. As investigações desta etapa, segundo a PF, partem de apuração das circunstâncias de contratação de navio sonda pela Petrobras com 'concretos indícios de fraude no procedimento licitatório'. O empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, foi preso preventivamente em Brasília.

O pecuarista estava na capital federal, pois prestaria depoimento à CPI do BNDES nesta terça. Ele estava no hotel Golden Tulip, a poucos metros do Palácio da Alvorada. Bumlai será levado para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Segundo a PF, 140 policiais federais e 23 auditores fiscais cumprem 25 mandados de busca e apreensão, um mandado de prisão preventiva e 6 mandados de condução coercitiva – quando o investigado é levado para depor – nas cidades de São Paulo, Lins (SP), Piracicaba (SP), Rio de Janeiro, Campo Grande (MS), Dourados (MS) e Brasília.

"Segundo apurações, complexas medidas de engenharia financeira foram utilizadas pelos investigados com o objetivo de ocultar a real destinação dos valores indevidos pagos a agentes públicos e diretores da estatal", informou a PF em nota.

A defesa do pecuarista disse que desconhece a prisão de Bumlai. O criminalista Arnaldo Malheiros Filho, advogado do amigo de Lula, disse que Bumlai está em Brasília para depor na CPI. Malheiros disse que não foi informado sobre os motivos da prisão.


Dois filhos de Bumlai também são alvo de nova fase da Lava Jato

Dois filhos do empresário José Carlos Bumlai também foram alvo da Operação Passe Livre, 21ª fase da Lava Jato deflagrada nesta terça-feira, 24. Foram cumpridos mandados de condução coercitiva – quando o investigado é levado para depor. Os dois serão ouvidos pela Polícia Federal em Brasília. Bumlai foi preso em Brasília, onde prestaria depoimento à CPI do BNDES.

Como Bumali e os filhos estavam na capital federal, foi pedido de última hora o cumprimento de um mandado de busca e apreensão para apreender computadores e celulares no quarto de hotel em que eles estavam. Em Mato Grosso do Sul, também foi feita busca e apreensão na residência e nas empresas de Bumlai. No momento da prisão, o pecuarista se mostrou tranquilo e não apresentou resistência.

Ainda nesta manhã, Bumlai embarca em avião da PF com destino a Curitiba, base da operação Lava Jato. o empresário fez exame de corpo de delito em brasília.

O amigo de Lula foi citado por dois delatores da Lava Jato. O lobista Fernando Baiano, um dos delatores do esquema de corrupção instalado na Petrobras entre 2004 e 2014, declarou que repassou a Bumlai quase R$ 2 milhões destinados à mulher de um dos filhos de Lula.

Segundo outro delator, Eduardo Musa, ex-gerente da Petrobras, Bumlai intermediou o pagamento de uma conta do PT de R$ 60 milhões, originada na campanha à reeleição de Lula, em 2006. O nome da operação, Passe Livre, remete ao fato de que o pecuarista tinha livre acesso ao Palácio da Alvorada durante o governo do ex-presidente Lula.

Compartilhar: