‘O senhor fez a maior festa do PSDB de Goiás’, diz empresário a tucano em grampo

Fotos: Reprodução

Além do presidente estadual do PSDB em Goiás, Afreni Gonçalves, a PF prendeu o presidente da Saneago, José Taveira Rocha

O presidente do PSDB Goiás, Afrêni Gonçalves, caiu no grampo da Operação Decantação, da Polícia Federal, supostamente negociando dívida de campanha de 2014 ao governo do Estado. Afrêni foi preso na quarta-feira, 24. Valores da empresa de Saneamento de Goiás (Saneago), da qual o tucano é diretor de Expansão, teriam bancado despesas eleitorais com a Gráfica Moura.

No diálogo interceptado pela Federal, em 25 de setembro de 2015, Afrêni fala com um interlocutor identificado como 'Cesário' – José Cesário Lopes, da Gráfica Moura -, que cobra o pagamento de uma dívida da campanha para o governo em 2014, quando o tucano Marconi Perillo foi reeleito – ele está em seu quarto mandato. Cesário cobrava 'parte e/ou totalidade' de R$ 412 mil que seriam devidos à gráfica pela campanha.

No grampo da PF, Afrêni informa que o pagamento ‘acontecerá tão logo surja a disponibilidade’.

AFRÊNI: fala Cesario…

CESARIO: o senhor está de parabéns. O senhor fez a maior festa do PSDB de Goiás.

AFRÊNI: tudo joia?

CESARIO: tudo bem. Afreni…

AFRÊNI: o que você manda??

CESARIO: eu precisava o seguinte… aquele dinheiro do…

AFRÊNI: como que é?

CESARIO: aquele negócio do dinheiro do… que tá pra pagar…

AFRÊNI: anh?

CESARIO: você não consegue arranjar um pouco pra nós esta semana não?

AFRÊNI: uai ou Cesário, por enquanto não tem como te falar nada.

CESARIO: e o Rincon?

AFRÊNI: com é que é?

CESARIO: o Rincon, será que ele??? O Rincon não tem nada a ver com você não? né?

AFRÊNI: ah, tem muito tempo que eu não falo com ele. Não tem nada a ver não.

CESARIO: pois é, eu preciso falar com ele.

AFRÊNI: quando chega tá tudo carimbado já. Não tá dando pra pagar os trem que tá carimbado. Sabe??

CESARIO: é né…

AFRÊNI: como e que é o nome da empresa sua, você falou e eu não lembro.

CESARIO: é Gráfica Moura.

AFRÊNI: ahn… Gráfica Moura.

CESARIO: Gráfica Moura.

AFRÊNI: certo. Você não recebeu nada de lá não? Recebeu né?

CESARIO: hein?

AFRÊNI: você recebeu alguma coisa? De lá?

CESARIO: não. não.

AFRÊNI: ei sei… eu vou olhar… eu não olhei ainda, porque…

CESARIO: o total é quatrocentos e doze mil reais.

AFRÊNI: certo, eu vou olhar depois. Na hora que tiver dinheiro eu vou olhar tá.

CESARIO: você gostou da festa ontem? Gostou?

AFRÊNI: com é que é?

CESARIO: você gostou da festa ontem?

AFRÊNI: uai foi boa demais né?

CESARIO: foi a maior do PSDB você tá de parabéns.

AFRÊNI: é isso aí.

DEFESA

Em nota, o PSDB nacional afirmou que "defende que todas as denúncias sejam investigadas e aguarda a manifestação da Justiça".

O Gabinete de Imprensa do Governo de Goiás afirmou acreditar na idoneidade dos dirigentes da Saneago. "O Governo de Goiás apoia as investigações em curso na Polícia Federal e no Ministério Público Federal e está inteiramente à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos. Os procedimentos licitatórios realizados pelos órgãos, autarquias e empresas da administração estadual são pautados pela legalidade e pela transparência. O Governo de Goiás acredita na idoneidade dos diretores e superintendentes da Saneago (Saneamento de Goiás S.A.) e tem a plena certeza de que os fatos apresentados serão plenamente esclarecidos."


LEIA MAIS…
Dinheiro desviado em GO bancava coquetéis na sede do Executivo, diz procurador

O procurador da República Mário Lúcio Avelar afirmou na quarta-feira, 24, que o dinheiro da Companhia de Saneamento de Goiás (Saneago) "era usado até para bancar coquetéis no Palácio das Esmeraldas", sede do Executivo estadual.

O governador de Goiás é o tucano Marconi Perillo. O presidente estadual do partido de Perillo, Afreni Gonçalves, foi preso pela Polícia Federal na quarta-feira, 24. Gonçalves é diretor de Expansão da Saneago.

Os recursos ilícitos, disse o procurador Avelar, também eram destinados ao financiamento de partidos políticos e ao pagamento de dívidas de campanha, segundo informou o jornal 'O Popular'.

O procurador integra a força-tarefa da Operação Decantação, que investiga desvios de recursos públicos federais oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de financiamentos do BNDES e da Caixa.

A PF prendeu, além do presidente estadual do PSDB em Goiás, o presidente da Saneago, José Taveira Rocha.

Segundo o procurador, para obter contratos com a Saneago, empreiteiras pagavam propinas.

"A má gestão ficou caracterizada pela inexecução de obras iniciadas em 2007, mas que até agora não foram concluídas", disse o procurador, que integra a força-tarefa da Operação Decantação.

Em nota, o governo de Goiás informou que "está inteiramente à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos". O governo estadual destacou que acredita na idoneidade dos diretores e superintendentes da Saneago.

"Os procedimentos licitatórios realizados pelos órgãos, autarquias e empresas da administração estadual são pautados pela legalidade e pela transparência", diz a nota. "O Governo de Goiás acredita na idoneidade dos diretores e superintendentes da Saneago e tem a plena certeza de que os fatos apresentados serão plenamente esclarecidos."

Compartilhar: