Não se trata de combater a corrupção, mas atingir PT, Lula e Dilma, diz Falcão

Foto: Agência Brasil

Rui Falcão: “O momento é de reflexão, mobilização e vigília. Estamos reunindo deputados e senadores em São Paulo em solidariedade ao ex-presidente Lula”

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, divulgou há pouco vídeo no qual defende o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e classifica a ação da Polícia Federal de hoje como “política e um espetáculo midiático em torno de Lula e família”. Falcão deve comandar em instantes uma reunião extraordinária do diretório nacional do partido para definir a estratégia do PT após Lula ser ouvido coercitivamente pela PF em São Paulo. Ele pediu, no vídeo, que todos os diretórios partidários entrem em vigília até fim de depoimento.

“O momento é de reflexão, mobilização e vigília. Estamos reunindo deputados e senadores em São Paulo em solidariedade ao ex-presidente Lula”, disse Falcão, antes de classificar a operação como “policialesca” e voltar a criticá-la. “Não se trata de combater a corrupção, mas a atingir o PT, Lula e o governo da presidente Dilma”.


LEIA MAIS…
CUT chama ação da PF de 'golpe' e anuncia vigília em defesa de Lula

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), braço sindical do PT, anunciou na manhã desta sexta-feira, 4, que fará uma vigília em todo o País em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e contra o que chama de "golpe". Em nota, a central sindical diz que "o maior líder popular da história do Brasil foi constrangido a depor coercitivamente pela Polícia Federal, mesmo não tendo uma única prova de que cometeu qualquer ato ilícito".

A orientação dada pela CUT a suas representações regionais é buscar unidade em defesa do petista em conjunto com os movimentos sociais e construir uma estratégia de ações coordenadas. A CUT informou que fará uma vigília permanente em cada uma das cidades, mas os locais ainda serão definidos. 

Para a CUT, a única denúncia contra Lula é a delação, ainda não homologada, do senador Delcídio Amaral (PT-MS). "É o golpe que vem sendo construído pela direita há meses, sendo colocado em prática com a parceria dos grandes meios de comunicação do País, de parte da PF, do Ministério Público e da oposição ao projeto de governo democrático e popular que Lula implantou no Brasil em 2003", diz a nota da central.


Defesa de Lula pede ao STF suspensão da nova fase da Lava Jato

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protocolou na manhã desta sexta-feira, 4, um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que seja suspensa, em caráter liminar (provisório), a nova fase da Operação Lava Jato. A nova etapa culminou na condução coercitiva de Lula para depor por haver "evidências" de que o ex-presidente se beneficiou do esquema de corrupção na Petrobras. 

Os advogados do ex-presidente alegam haver "desafio à autoridade" da ministra Rosa Weber nas diligências em curso desde a manhã desta quinta-feira. A ministra é relatora em uma ação de Lula para suspender os processos investigatórios conduzidos contra ele, mas ainda não emitiu nenhuma decisão sobre o caso. "O desafio à autoridade da Corte Suprema é tão evidente que dispensa qualquer consideração", afirmam os advogados do ex-presidente no ofício.

"O ritmo acelerado dos acontecimentos, justamente no momento em que o requerimento do suscitante (Lula) encontrava-se concluso a Vossa Excelência (Rosa Weber), é mesmo sugestivo de uma concertação. Por que a execução dessas diligências não poderia aguardar 10 dias?", questionam os advogados no documento.

Na semana passada, o ex-presidente entrou no Supremo com uma ação para suspender os processos investigatórios contra ele que estão sendo conduzidos pela força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e pelo Ministério Público de São Paulo. As investigações se referem à obtenção de vantagens ilícitas por Lula que teriam se materializado nos imóveis de Atibaia e do Guarujá, em São Paulo.

A defesa do ex-presidente alega no Supremo a inadmissibilidade de dois procedimentos investigatórios contra ele instaurados em instâncias diferentes, o que é contra a lei. A força-tarefa da Lava Jato, no entanto, enviou à ministra Rosa esclarecimentos afirmando que as investigações do MPF são diferentes das conduzidas pelo MP-SP. 

Lula foi conduzido para depor na manhã de hoje porque, segundo o MPF, há "evidências" de que ele recebeu valores desviados da Petrobras. De acordo com os procuradores, são pelo menos R$ 4,5 milhões em lavagem de dinheiro por meio do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia, e do tríplex 164-A, no Guarujá.

Compartilhar: