Na Espanha, Lula defende que política não deve ser judicializada

Foto: Reprodução

Lula: "Se investirem no Brasil, podem ter certeza que ganharão muito dinheiro por vários motivos: o tamanho do mercado, a nossa relação sem conflitos com os vizinhos e somos um país com muita vontade"

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu, em evento na Espanha, o equilíbrio de poderes e a harmonia entre as instituições. "Não devemos judicializar a política", disse, após afirmar que é alvo de críticas por supostamente agir em nome do interesse de determinadas empresas. "Qualquer presença do Brasil em qualquer país do mundo eu defendia, como as autoridades de outros países também fariam", disse o petista, durante o seminário "Desafio dos Emergentes", promovido pelo jornal El País, na Espanha.

Dirigindo sua fala ao rei da Espanha, Felipe VI, também presente no evento, Lula disse que este é um debate que os políticos precisam travar, "senão qualquer cidadão pode achar que pode decidir o que um presidente pode ou não pode fazer".

Investimentos
Antes de encerrar sua participação no seminário, o ex-presidente tentou atrair o interesse de investidores para o Brasil. Ele relembrou uma visita que fez com empresários brasileiros à Espanha em 2005 e minimizou a atual crise econômica do País. "Não se deixa de acreditar em uma pessoa porque ela tem febre", ilustrou, argumentando que, apesar do mau momento econômico, o momento não é ruim para investir no Brasil. "Se investirem, podem ter certeza que ganharão muito dinheiro por vários motivos: o tamanho do mercado, a nossa relação sem conflitos com os vizinhos e somos um país com muita vontade. Estamos loucos para crescer. Este é o melhor momento para investir no Brasil", afirmou o ex-presidente.

Compartilhar: