‘Eu era o bobo da corte do governo’, disse Marcelo Odebrecht em depoimento

FOTO: REPRODUÇÃO

O depoimento foi colhido dentro da ação que investiga a campanha que elegeu a chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014

Em depoimento à Justiça Eleitoral na quarta-feira (1), Marcelo Odebrecht disse que se sentia o "bobo da corte" do governo federal. Ao falar sobre a situação da empreiteira baiana que leva seu sobrenome, o ex-presidente do conglomerado demonstrou descontentamento por ter sido obrigado a entrar em projetos que não desejava e a bancar repasses às campanhas eleitorais, sem receber as contrapartidas que julgava necessárias. 

Marcelo foi preso em junho de 2015, no âmbito da Operção Lava Jato, acertou delação premiada, e deve permanecer na carceragem da Polícia Federal em Curitiba até o final deste ano.

O ex-presidente da Odebrecht detalhou que tinha contato frequente com o alto escalão do governo. "Eu não era o dono do governo, eu era o otário do governo. Eu era o bobo da corte do governo", disse Marcelo. 

Ele também se mostrou incomodado por divergências com seu pai, o patriarca e presidente do Conselho de Administração do Grupo Odebrecht, Emilio Odebrecht, quanto a projetos em que a empresa apoiava o governo.

O ex-presidente da empreiteira foi ouvido pelo ministro Herman Benjamin, relator da ação que tramita no Tribunal Superior Eleitoral e investiga a chapa formada por Dilma e Michel Temer na campanha eleitoral de 2014.

No depoimento, Marcelo Odebrecht falou ainda sobre a "naturalidade" do caixa 2 em campanha eleitoral, defendeu a legalização do lobby e deixou claro que a Odebrecht não era a única empresa a usar doações para conquistar apoio político. O caixa 2, segundo ele, envolve pagamento de propinas.


LEIA MAIS…
Marcelo Odebrecht disse que 4/5 de doações para chapa Dilma-Temer são de caixa 2

Em depoimento à Justiça Eleitoral realizado na quarta-feira (1), o executivo Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome, afirmou que 4/5 das doações para a campanha presidencial de Dilma Rousseff tiveram como origem o caixa 2. A audiência comandada pelo ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin ocorreu na sede do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), em Curitiba. 

Segundo relatos, Marcelo afirmou no depoimento que a petista tinha dimensão da contribuição e dos pagamentos, também feitos por meio de caixa 2, ao então marqueteiro do PT, João Santana. A maior parte dos recursos destinados ao marqueteiro era repassada em espécie.

As negociações eram feitas diretamente entre Marcelo, Santana e o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Na audiência, Marcelo cita inclusive um encontro que teria tido com Dilma no México, ocasião em que teria lembrado que os pagamentos feitos a Santana estavam "contaminados", uma vez que as offshores utilizadas por executivos do grupo serviam para pagamento de propina. 

Marcelo lembrou que o valor acertado para a campanha presidencial do PT de 2014 foi de R$ 150 milhões. Deste total, R$ 50 milhões eram uma contrapartida à votação da medida provisória do Refis, encaminhada ao Congresso em 2009, que beneficiou a Braskem, empresa petroquímica controlada pela Odebrecht e pela Petrobras. 

Ao detalhar a distribuição de recursos, Marcelo informou ainda que R$ 10 milhões foram diretamente para a campanha de Dilma, como doação oficial. Outros R$ 5 milhões foram repassados via PT. Também teriam ocorridos pagamentos de "dezena de milhões" para partidos aliados.

Marcelo foi questionado sobre o início da relação com o governo do PT. Ele ressaltou que as primeiras conversas ocorreram em 2008, quando o ex-ministro Antônio Palocci o procurou para pedir doações para as eleições municipais daquele ano, especificamente para as que João Santana estava trabalhando. 

Na ocasião, o empresário disse a Palocci que não lidava com campanha municipal, mas apenas com as presidenciais. Considerou, contudo, que podia ser acertado um valor para 2010 e que, quando chegasse o período da campanha presidencial, a quantia entregue para a campanha municipal seria descontada. Quando Palocci deixou a Casa Civil, Dilma teria definido que o novo interlocutor seria Guido Mantega, dessa forma estava encerrada a conta "italiano" e esta sendo aberta a "pós-italia".


Odebrecht diz que Padilha tratou de repasse de R$ 10 mi em jantar no Jaburu

O executivo Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome, confirmou ter se encontrado com o presidente Michel Temer durante tratativas para a campanha eleitoral de 2014, mas negou ter acertado com o peemedebista um valor para a doação. Ele informou que não houve um pedido direto pelo então vice-presidente da República para a doação de R$ 10 milhões ao PMDB. Segundo ele, tratativas para a doação foram feitas entre o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o executivo Cláudio Melo – e admite que parte dos pagamentos pode ter sido feita via caixa 2.

O depoimento foi colhido dentro da ação que investiga a campanha que elegeu a chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014. A suspeita é de que houve abuso de poder político e econômico na disputa presidencial. A ação, que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pode gerar a cassação do mandato de Temer e a inelegibilidade dele e de Dilma.

Em anexo de delação premiada que vazou em dezembro, Melo, que é ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht, mencionou o jantar no Palácio do Jaburu no qual Temer teria pedido pessoalmente "auxílio financeiro" a Marcelo, que se comprometeu com R$ 10 milhões.

Ao depor na quarta-feira, 01, para a Justiça Eleitoral, Marcelo Odebrecht disse que Temer não mencionou a doação de R$ 10 milhões.

O herdeiro do grupo baiano confirma que o jantar foi realizado no momento em que o grupo de Temer negociava uma doação da Odebrecht para apoiar candidatos do partido. Antes de o encontro ser agendado, ele recebeu de Cláudio Melo a notícia de que Paulo Skaf pedira R$ 6 milhões em doação para a campanha ao governo de São Paulo. A solução seria usar para parte do dinheiro que seria destinado ao grupo político de Temer para o candidato paulista.

O encontro no Jaburu serviria para selar o acordo de que R$ 6 milhões dos R$ 10 milhões ao grupo do PMDB de Temer seriam encaminhados para a campanha de Skaf. De acordo com Marcelo, só após a saída do vice-presidente do local, ele conversou com Padilha e com Melo sobre o tema. Ainda de acordo com ele, parte dos R$ 6 milhões não chegou a ser paga.

Marcelo Odebrecht disse ainda à Justiça Eleitoral que a interlocução com o PMDB era dispersa. Os executivos da empresa tinham relação com os Estados, enquanto Melo atuava dentro do Senado em contato com o atual presidente do partido, Romero Jucá (RR). Na Câmara, o contato era com Padilha – mas também mencionou o nome do deputado cassado Eduardo Cunha, que mantinha relação com o empresariado.


Odebrecht confirmou o que disse em delação, dizem advogados

O empresário Marcelo Odebrecht respondeu a todas as perguntas e apresentou documentos durante as quase quatro horas de depoimento à Justiça Eleitoral na ação movida pelo PSDB que pede a cassação da chapa da ex-presidente Dilma Rousseff e seu então vice, o atual presidente Michel Temer.

"Ele respondeu todas as perguntas, foram quase quatro horas. Ele trouxe uma planilha que tinha em mãos e apresentou em sigilo mas também era uma planilha que já havia sido apresentada. Era um documento de instrução dele", disse o advogado de defesa de Temer, Gustavo Guedes.

Segundo ele, Odebrecht trazia outros documentos em mãos além da planilha mas o advogado não soube dizer se os documentos foram anexados ao processo.

O ex-presidente da empreiteira foi ouvido a pedido do ministro Herman Benjamin, relator da ação do PSDB no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O objetivo é confirmar partes da delação premiada feita por Odebrecht à Lava Jato. No ano passado o Estado revelou que a Odebrecht repassou R$ 30 milhões via caixa dois à campanha de Dilma e Temer em 2014. O teor do depoimento é sigiloso.

O advogado de Temer não descartou a possibilidade de requerer a oitiva de testemunhas, a depender dos relatos de outros delatores que serão ouvidos até a próxima semana, entre eles o ex-vice-presidente da empreiteira Cláudio Melo Filho.

Guedes, no entanto, descartou que se trate de uma mudança de estratégia da defesa que, até agora, apostava na tática de abreviar o julgamento da ação.

"A possibilidade de ouvir novas testemunhas ela obviamente sempre existe mas primeiro a gente gostaria de esperar a oitiva de todas as testemunhas antes de avaliar isso", disse o advogado.

Segundo relatos, Marcelo Odebrecht falou por mais de duas horas sem ser interrompido logo no início da audiência. A partir de então respondeu perguntas dos advogados das partes envolvidas e do relator do processo. O empresário respondeu todas as perguntas.

"Ele falou o que deveria falar e o que poderia falar", disse o advogado de Odebrecht, Luciano Feldens.

De acordo com os advogados, o empresário confirmou o que já havia dito na delação à Lava Jato. "Ele nem poderia dizer algo diferente", disse Guedes.

Em despacho do dia 21 de fevereiro o procurador geral da República, Rodrigo Janot, disse que "os deveres e compromissos assumidos pelos colaboradores aplicam-se a quaisquer esfera judicial". Na mesma linha o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) usou trecho de uma decisão do ministro Teori Zavaski, morto em acidente de avião em janeiro, segundo a qual "a homologação de colaboração premiada não inibe a convocação da testemunha por outro órgão judiciário de investigação, nem a condiciona a prévia autorização do juízo que homologa".

Compartilhar: