Dilma garantiu a Collor comando da BR Distribuidora, afirma Cerveró

Foto: Reprodução

Nestor Cerveró: "Fernando Collor de Mello disse que havia falado com a Presidente da República, Dilma Rousseff, a qual teria dito que estavam à disposição de Fernando Collor de Mello a presidência e todas as diretorias da BR Distribuidora"

O ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, um dos delatores da Operação Lava Jato, declarou à Procuradoria-Geral da República que o senador Fernando Collor (PTB-AL) lhe disse, em 2013, que a presidente Dilma Rousseff havia garantido ao parlamentar que "estavam à disposição" dele, Collor, a presidência e todas as diretorias da BR Distribuidora.

Em depoimento prestado no dia 7 de dezembro de 2015, Cerveró relatou os bastidores das indicações para cargos estratégicos na Petrobras, principalmente na BR Distribuidora, apontada pelos investigadores como "cota" pessoal do ex-presidente Collor (1990/1992).

"Fernando Collor de Mello disse que havia falado com a Presidente da República, Dilma Rousseff, a qual teria dito que estavam à disposição de Fernando Collor de Mello a presidência e todas as diretorias da BR Distribuidora", declarou o ex-diretor, condenado na Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro.

Cerveró disse ter ouvido o relato de Collor sobre suposto encontro com Dilma durante uma reunião em Brasília, que teria ocorrido, segundo o delator, em setembro de 2013. Na ocasião, Cerveró estava empenhado em se manter no cargo de diretor Financeiro e Serviços da BR Distribuidora – subsidiária da Petrobras -, que assumiu após deixar a área Internacional da estatal petrolífera. Ele disse que o empresário Pedro Paulo Leoni, conhecido como PP, o chamou para uma reunião com Collor na Casa da Dinda, residência do ex-presidente. PP foi ministro no governo Collor.

Segundo o ex-diretor, Collor disse na reunião que não tinha interesse em mexer na presidência e nas diretorias da BR Distribuidora. Cerveró afirmou que tais nomes eram indicação do PT – presidente José de Lima Andrade Neto; diretor de Mercado Consumidor Andurte de Barros Duarte Filho e ele próprio, como diretor Financeiro e de Serviços.

O ex-diretor da Petrobras afirmou que "ironicamente agradeceu" a Collor por ter sido mantido na BR. Depois, segundo o depoimento "Pedro Paulo Leoni disse que Fernando Collor havia ficado chateado com a ironia do declarante", uma vez que parecia que Cerveró estava duvidando de que Collor havia falado com Dilma Rousseff. "Nessa ocasião, o declarante percebeu que Fernando Collor realmente tinha o controle de toda a BR Distribuidora", consta na declaração.

A reportagem não conseguiu falar com Collor sobre o assunto. Em outra ocasião, na qual seu nome foi ligado à BR Distribuidora, o ex-presidente negou enfaticamente "ter exercido qualquer ingerência – muito menos pressão – sobre a Petrobras ou sua subsidiária BR Distribuidora". A assessoria do Planalto informou que não iria comentar o assunto.


LEIA MAIS…

Lula intermediou reunião de Collor com diretoria da BR Distribuidora, diz Cerveró

Em delação premiada, o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró detalha suposta atuação do senador Fernando Collor (PTB-AL), em reunião marcada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para liberar um crédito bilionário na BR Distribuidora para usinas de álcool de Alagoas. 

Apesar de a operação não ter sido liberada pela subsidiária da Petrobras, Cerveró disse no depoimento aos investigadores da Lava Jato que ocorreu uma operação de crédito para usinas realizada pelo Banco do Brasil.

A suposta operação de liberação de crédito teria ocorrido em meados de 2010, segundo Cerveró, portanto durante a gestão do atual presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, à frente do banco. Na ocasião, teriam sido liberados R$ 50 milhões em crédito para as usinas de João Lyra, segundo o delator. De acordo com a assessoria do Banco do Brasil, o pedido de crédito existiu, mas a operação não foi aprovada. 

Collor inicialmente levou Lyra, político e usineiro em Alagoas, a uma reunião na BR Distribuidora para pleitear que a subsidiária da Petrobras comprasse R$ 1 bilhão em álcool das usinas do Estado. O encontro entre todos os diretores e Collor foi uma sugestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de acordo com Cerveró. A operação sugerida por Lyra e Collor se tratava de uma "compra de safra antecipada".

Para convencer a diretoria, Collor afirmou que Alagoas havia sofrido com uma "grande enchente" naquele ano e causado muitos danos ao Estado. O senador disse ter levado Lula para "ver pessoalmente o Estado de Alagoas, tendo Lula ficado chocado", segundo Cerveró. Ainda segundo o ex-diretor da Petrobras, Collor afirmou que Lyra cedeu imóveis para reconstruir as cidades e apresentou o empresário como um "usineiro altruísta".

Cerveró afirma na delação que existia uma norma na BR Distribuidora que proibia a compra de safra antecipada e, independentemente disso, "não havia disponibilidade financeira" para o negócio. "Que o financiamento de usinas de álcool é o pior crédito, que as usinas de álcool estavam praticamente todas em situação de falência", afirmou Cerveró. Apesar disso, relatou o delator aos investigadores da Lava Jato, "o Banco do Brasil, presidido por Aldemir Bendine", concedeu crédito de R$ 50 milhões à usina de Lyra.

O atual presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), chegou a chamar Cerveró para que ele explicasse a liberação de dinheiro a Lyra, segundo o ex-diretor. A reunião entre os dois ocorreu no gabinete do senador, quando Calheiros se mostrou "chateado", nas palavras de Cerveró. 

O ex-diretor explicou que o dinheiro não fora liberado pela BR Distribuidora, mas sim pelo Banco do Brasil. Disse, ainda, que Renan teria afirmado: "Ah, agora eu entendi, então é por isso que a campanha do Collor está deslanchando". Renan teria entendido "que o dinheiro do financiamento havia sido usado na campanha de Fernando Collor em Alagoas", consta do depoimento de Cerveró.

Em nota, o Banco do Brasil afirmou que não aprovou qualquer operação de crédito para a usina citada em 2010 ou nos anos seguintes. O banco ressaltou que "analisa todas as operações de crédito de acordo com critérios técnicos. A aprovação cabe sempre a instâncias colegiadas, que consideram as características das operações e os riscos de cada cliente e de seus acionistas".

O Instituto Lula disse que não comentaria as informações. A defesa de Fernando Collor não foi localizada.

Compartilhar: