Comissão aprova parecer do impeachment por 38 votos a favor e 27 contrários

FOTO: WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL

Quando o painel eletrônico foi aberto para votação, a oposição já começava a comemorar. Gritos contra e a favor do impedimento tomaram conta do plenário

A comissão especial da Câmara acaba de aprovar o parecer do relator, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), pela admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Foram 38 votos a favor do parecer, 27 contra e nenhuma abstenção. Dez partidos votaram a favor do parecer de Jovair e 10 contra. Quatro partidos liberaram o voto da bancada.

Quando o painel eletrônico foi aberto para votação, a oposição já começava a comemorar. Gritos contra e a favor do impedimento tomaram conta do plenário. Ao final, os oposicionistas cantaram o hino nacional. Os aliados do governo deixaram a comissão gritando "golpistas".

PSDB, DEM, PRB, PSB, PTB, PPS, PSC, PSL, PMB e Solidariedade defenderam o impeachment na orientação das bancadas. 

O PMDB, PP, PROS e o PHS liberaram o voto na bancada, enquanto PT, PCdoB, PSOL, PR, PSD, PTdoB, PEN e PDT votaram contra o relatório. Já a Rede, apesar da recomendação da direção para apoiar o impeachment, teve seu único titular na comissão, o deputado Aliel Machado (PR), votando contra o afastamento. O PTN que havia anteriormente liberado a bancada, decidiu de última hora votar contra o impeachment na comissão.


LEIA MAIS…
Presidente da comissão do impeachment votou a favor do relatório

Líder do PSD, o presidente da comissão especial do impeachment, deputado Rogério Rosso (DF), foi um dos 38 que votou a favor da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Rosso não antecipou seu voto até as vésperas da votação do relatório de Jovair Arantes (PTB-GO), mas, a cada sessão do colegiado, dava sinais de que votaria contra o governo.

O líder da oposição no Congresso, deputado Mendonça Filho (DEM-PE), disse que o voto de Rosso não foi uma novidade. "Já esperava", afirmou. Quando Rosso foi apontado para presidir os trabalhos, sua indicação – que tinha o aval do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – agradou à oposição.

Os oposicionistas afirmam que o resultado da votação na comissão demonstra uma vitória consistente. "Fortalece o processo para o plenário, dá combustível para uma vitória ainda maior", comentou.

Entre os chamados governistas, Rosso foi o único a votar pelo afastamento da petista. Os líderes Leonardo Picciani (PMDB-RJ) e Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) votaram contra o parecer. 

Na votação desta noite, quatro suplentes votaram no lugar de titulares. Dois votaram contra o parecer e dois a favor.


Resultado na comissão mostra fragilidade da defesa de Dilma, diz Aécio

O presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), afirmou que o resultado da comissão de impeachment, que aprovou o relatório favorável ao afastamento da presidente Dilma Rousseff nesta noite, mostra a fragilidade da defesa apresentada pela presidente.

"O resultado demonstra a fragilidade da defesa. Por maiores que tenham sido os esforços dos que a defenderam, é impossível defender o indefensável", afirmou. De acordo com ele, a presidente cometeu crime de responsabilidade e, por isso, terá a admissibilidade de seu processo de afastamento aprovado.

O senador também pediu serenidade de todas as partes envolvidas neste momento que classificou como "difícil para o País". "É preciso serenidade para enfrentarmos e superarmos este momento difícil. Mas estou seguro de que sairemos mais fortes desse processo graças à força de nossas instituições e da democracia", afirmou.

Compartilhar: