CNA apoia impeachment e diz que Kátia Abreu se afastou do produtor

FOTO: CNA

"Fomos surpreendidos com o evento no Palácio do Planalto em que se pregou a violência e, dias depois, o ministro da Justiça, em vez de recriminar, defendeu os movimentos como legítimos porque apoiam o governo", afirmou Martins

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se rebelou contra uma de suas integrantes mais importantes e presidente licenciada, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu.

Durante a entrevista à imprensa convocada para comunicar o apoio formal ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, o presidente da entidade, João Martins, afirmou que o setor começa a ser prejudicado pela crise econômica e cobra um pacto nacional pela recuperação do País. Ele afirmou que a ministra se afastou do produtor rural ao continuar a defender o governo.

Martins comentou que a CNA preza pelo equilíbrio, mas disse que depois das declarações de movimentos sociais do campo, que pregaram a violência, não havia mais condições de não ter uma posição clara.

Na semana passada, o secretário de Administração e Finanças da Confederação dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), Aristides Santos convocou, em evento de assinatura de medidas de regularização fundiária, no Palácio do Planalto, invasões de terras de parlamentares ruralistas, chamados por ele como a "bancada da bala" do Congresso, como forma de evitar o impeachment.

"Fomos surpreendidos com o evento no Palácio do Planalto em que se pregou a violência e, dias depois, o ministro da Justiça, em vez de recriminar, defendeu os movimentos como legítimos porque apoiam o governo", afirmou Martins.

"Estudamos entrar com ações contra a Contag e o ministro", observou. Ele disse que nas últimas semanas as pressões da base da CNA aumentaram e depois de uma consulta a todas elas, com exceção do Tocantins (Estado da ministra Kátia Abreu), todas se manifestaram favoravelmente ao impeachment.

O presidente da CNA alegou que o mercado interno está pouco demandado e isso tem afetado a produção agropecuária. Questionado sobre a relação entre a CNA e Kátia Abreu, ele afirmou que esta segue normalmente, com a entidade participando da formulação de políticas importantes para o setor.

"Quando a presidente Kátia Abreu se licenciou, nós separamos as coisas. Ela defende o governo do qual participa, nós defendemos o interesse do setor", explicou o dirigente. 

Durante parte da coletiva, ele se esquivou de avaliar a permanência da ministra do governo, mas ao fim do evento, deixou clara a distância entre a CNA e Kátia Abreu. 

"Não posso dizer que ela abandonou o produtor, mas se distanciou do produtor rural ao continuar a defender um governo que a cada dia mais está se desintegrando", reforçou. Ele garantiu, ainda, que os produtores rurais e os sindicatos vão participar maciçamente de movimentos sociais no dia da votação do impeachment como forma de pressionar os parlamentares.


LEIA MAIS…
Kátia Abreu: não concordo com decisão da CNA de apoiar impeachment, mas respeito

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, expressou sua discordância sobre a decisão da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) de anunciar apoio formal ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ao Broadcast, a ministra afirmou que, embora não concorde, respeita a decisão. "Embora não concorde, respeito a decisão da CNA, que é uma entidade de classe independente", disse. Ela afirmou, ainda, que, como está licenciada da presidência da entidade, não pode interferir nas decisões da confederação.

Apesar disso, a única unidade estadual da CNA que se manifestou contra o processo de impeachment foi de Tocantins, Estado que elegeu a ministra Kátia Abreu como senadora.

Na manhã desta quarta-feira, 6, o presidente da entidade, João Martins, afirmou que o setor começa a ser prejudicado pela crise econômica e cobrou um pacto nacional pela recuperação do País. Ele disse que a ministra se afastou do "produtor rural ao continuar a defender um governo que a cada dia mais está se desintegrando". Segundo Martins, o estopim para a decisão foram as declarações do secretário de administração e finanças da Confederação dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), Aristides Santos, que na semana passada convocou, em evento no Palácio do Planalto, invasões de terras de parlamentares ruralistas.

No governo, a avaliação vai na mesma linha da justificativa de Martins, de que as entidades que integram a CNA, que tentavam se manter neutras em meio a deterioração do cenário político, se viram pressionadas por suas bases depois da fala da Contag. Fontes avaliam que pode haver mais desgaste entre governo e ruralistas a depender do fechamento do Plano Safra. Com o caixa do Tesouro limitado, o governo tem ventilado que pode não ter dinheiro suficiente para manter os mesmos recursos subsidiados que colocou no projeto na última safra.

Compartilhar: