Agrodefesa adota medidas de controle e prevenção contra raiva em Palmeiras de Goiás

Reprodução/Internet

Os agropecuaristas estão sendo orientados a imunizar bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos, muares, asininos e equinos, que podem ser picados pelos morcegos hematófagos

A Agrodefesa confirmou na quarta-feira, dia 19, por meio de exames de laboratório, as mortes de mais três animais (bovinos) pelo vírus da raiva na zona rural de Palmeiras de Goiás, a 72 quilômetros de Goiânia. Foram coletadas, ao todo, quatro amostras de três propriedades vizinhas. O primeiro caso já havia sido confirmado no último dia 13 de julho.

Segundo o gerente de Sanidade Animal da Agrodefesa, Antônio do Amaral Leal, cerca de 20 animais de três propriedades rurais vizinhas morreram com sintomas da doença. Ele afirma que o órgão já está tomando todas as medidas de controle e prevenção em um raio de 12 km a partir da propriedade foco, conforme preconizado pelo Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros – PECRH da Gerência de Sanidade Animal da Agrodefesa, em consonância com o Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros – PNCRH do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa.

Antônio explica que a raiva é endêmica na América do Sul e que vez ou outra surgem focos da doença. O município de Palmeiras era considerado de baixo risco para a doença e até então, livre da obrigatoriedade de vacinação. Os agropecuaristas estão sendo orientados a imunizar bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos, muares, asininos e equinos, que podem ser picados pelos morcegos hematófagos- transmissores na zona rural – e contaminados. A vacinação está sendo assistida pelos fiscais da Agrodefesa.

Segundo o gerente, não foram notificados novos casos de animais doentes na região. Há risco de contaminação humana quando há o contato direto da pessoa com o animal doente, por meio da saliva, principal meio de contágio. Não há notificação de raiva humana. Em caso de sintomas, a orientação é procurar imediatamente uma unidade de saúde.

Agrodefesa adotou as seguintes medidas:
1.Notificação de produtores rurais para vacinação contra a raiva em bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos, muares, asininos e equinos, bem como o reforço na vacinação, após 30 dias, em um raio de 12 km da propriedade foco de raiva;
2.Notificação aos produtores rurais para comunicação à Agrodefesa da suspeita de animais doentes;
3.Atendimento a casos de suspeita de raiva dos herbívoros, com coleta de material para análise laboratorial dos animais que vieram a óbito;
4.Identificação dos abrigos de morcego hematófago (Desmodus rotundus), com captura, tratamento dos morcegos com pasta vampiricida e coleta de 10% dos animais capturados para envio ao Labvet;
5.Comunicação aos produtores e demais pessoas que tiveram contato com animais doentes para procurar o serviço de saúde;
6.Notificação à Secretaria Municipal de Saúde (14/07/2017) para ações relativas à saúde humana;
7.Ações de educação sanitária junto à população.

A Agrodefesa ressalta que todos os procedimentos necessários ao controle do foco estão sendo realizados, de forma a resguardar a saúde animal e, principalmente a saúde pública, sendo que as ações no foco já estão concluídas, com a vacinação de todos os animais, bem como a identificação do abrigo de morcegos hematófagos.

A Agrodefesa pontua que é de suma importância que os produtores rurais, profissionais da área de ciências agrárias e da saúde, bem como a população em geral notifiquem a ocorrência de animais doentes em suas propriedades rurais ou de terceiros, de forma que a Agência possa realizar o trabalho de atendimento à notificação de forma gratuita, com possível coleta de material e diagnóstico laboratorial e com isso, garantir a proteção da saúde humana e animal no Estado.

Saiba mais
A raiva é uma doença infectocontagiosa, causada por um vírus, que provoca sintomas nervosos nos animais acometidos, levando a 100% de mortalidade nos animais após o início dos sintomas, sendo também uma zoonose – doença transmitida do animal para o homem.

O principal transmissor da raiva na zona rural é o morcego hematófago, que se alimenta de sangue e ataca rebanhos (equídeos, bovinos, etc). Desta forma, ele contamina os animais. A vacinação do rebanho é uma das principais ferramentas para prevenção da doença em áreas de ocorrência. (Goiás Agora)

 

 

Compartilhar: