Obama reconhece que desigualdades e racismo ainda persistem nos EUA

FOTO: REPRODUÇÃO

“Desigualdades ainda persistem”, disse Obama em discurso aos formandos da classe de 2016 da Howard University, instituição que desempenhou importante papel no Movimento dos Direitos Civis dos negros nos EUA

O presidente norte-americano, Barack Obama disse no sábado, 7, que o país é "um lugar melhor hoje" que do quando ele se formou na universidade 30 anos atrás e considerou sua eleição "um indício de como as atitudes mudaram" ao longo dos anos.

Mas desigualdades ainda persistem, disse em discurso aos formandos da classe de 2016 da Howard University. A instituição desempenhou importante papel no Movimento dos Direitos Civis dos negros nos EUA. 

Obama destacou que não havia CEOs negros no ranking das 500 maiores empresas da Fortune e poucos juízes eram negros quando a Columbia University entregou a ele o diploma de bacharelado, em 1983. 

"Muitos nem mesmo pensavam que os negros tinham o que era preciso para ser quarterback (jogador de futebol americano)", afirmou o presidente. "Quando eu estudava, o principal herói negro na TV era o Mr. T Rap e o hip-hop era uma contra cultura."

Mas Obama ressaltou que ainda há problemas a serem tratados. "O racismo persiste, a desigualdade persiste", disse. Ele convocou os 2.300 graduandos da Howard University a agir para solucionar essas deficiências. 

Obama advertiu para desigualdades de renda, questão na campanha presidencial de seu sucessor em novembro deste ano, disparidades em desemprego, salários e justiça criminal. O presidente listou, ainda, doenças e conflitos ao redor do mundo, além de mudanças climáticas, terrorismo e outros assuntos que precisam de atenção.

"Não se deixe enganar classe de 2016. Vocês têm muito trabalho a fazer", exclamou Obama. "Mas independentemente de quão complicados ou intragáveis sejam os desafios, a verdade é que sua geração está melhor posicionada que qualquer outra para cumprir esses desafios", disse.

Compartilhar: