Obama pede aceleração em estudos, testes e nas informações sobre o Zika vírus

Foto: Reprodução

Presidente Barack Obama pediu aos conselheiros da área da saúde que eles acelerem a investigação sobre os testes de diagnóstico, vacinas e remédios, além de um trabalho para informar os norte-americanos sobre o vírus Zika

O governo dos Estados Unidos deu início aos estudos sobre a possibilidade de uma vacina contra o Zika vírus – que é suspeito de ter causado nascimento de bebês com microcefalia em países da América Latina. Obama já se reuniu com altos conselheiros da área da saúde para discutir sobre os estudos e pediu aceleração nos testes, diagnósticos e na difusão de informações.

"Isso não acontecerá do dia pra noite", disse o diretor Anthony Fauci, do Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês), ontem, 27.

Os pesquisadores do NIH já deram início aos trabalhos iniciais, e a agência ainda pretende impulsionar o financiamento para cientistas brasileiros para acelerar as pesquisas relacionadas ao vírus.

Segundo Fauci, já existem vacinas em vários estágios de desenvolvimento de outros vírus da mesma família – como o da dengue, Nilo Ocidental e chikungunya – que oferecem um padrão para criar algo semelhante contra o Zika.

O presidente dos EUA, Barack Obama, se reuniu na semana passada com altos conselheiros da área da saúde, incluindo Fauci, com a secretária de Saúde e Serviços Humanos, Sylvia Mathews Burwell, e o diretor do Centro de Controle de Doenças, Thomas Frieden.

A Casa Branca disse que Obama pediu para que eles acelerem a investigação sobre os testes de diagnóstico, vacinas e remédios, além de um trabalho para informar os norte-americanos sobre o vírus Zika e maneiras de se proteger contra a infecção.


LEIA MAIS…

Presidente da Colômbia diz Zika "preocupa muito" países da América Latina

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse ontem, 28, que o zika virus "preocupa muito" os países da América Latina porque todos foram atingidos. "No caso da Colômbia, 170 municípios foram afetados e mais de 14 mil pessoas. Se não fizermos alguma coisa, a expectativa é a de que o zika afetará 600 mil pessoas."

Santos participou, com a presidente Dilma Rousseff e outros integrantes da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), da reunião que decidiu sobre uma estratégia conjunta de combate ao zika. "É um fenômeno novo, não há muitas experiências", disse o presidente da Colômbia. "Por isso decidimos reunir todos os ministros de Saúde do Mercosul e ver como podemos combater esse problema."

Compartilhar: