“Relógio do fim do mundo” está cada vez mais perto da meia-noite

Win McNamee/Getty Images

A meia noite é uma alegoria criada por cientistas para representar a ameaça do fim do mundo de forma apocalíptica, como em uma guerra nuclear

Logo depois da Segunda Guerra Mundial e das bombas atômicas que os Estados Unidos detonaram sobre o Japão, alguns cientistas se reuniram e criaram o Boletim dos Cientistas Atômicos. Desde então, a entidade rastreia perigos nucleares e tecnológicos que podem acabar com a humanidade.

Para isso, eles criaram o "Relógio do Fim do Mundo", uma alegoria onde a meia-noite representa o fim do mundo em meio a uma catastrófe, em especial uma guerra nuclear.

O relógio chegou a dois minutos para a meia-noite nesta quinta-feira (25). Segundo os cientistas responsáveis, a humanidade está muito perto da destruição global. Em 2017, o relógio estava a dois minutos e meio e em 2016, ainda restavam três minutos. 

A única vez que o relógio marcou o mesmo “horário” que o anunciado para 2018 foi em 1953, quando os Estados Unidos e a União Soviética, em plena Guerra Fria, realizaram testes com bombas de hidrogênio. Em 1991, o relógio ficou mais distante da meia-noite: 17 minutos.

Um dos motivos que fizeram esse relógio ser adiantado em 2018 é o medo de que haja um conflito nuclear entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos. Outra preocupação é o aquecimento global.

Os cientistas responsáveis pelo projeto afirmaram que é necessário o poder público utilizar as evidências para executar políticas de qualidade que possam evitar uma tragédia maior.

(Beatriz Sanz, do R7, com agências internacionais)

Olhe link da matéria completa:
https://noticias.r7.com/internacional/relogio-do-fim-do-mundo-esta-cada-vez-mais-perto-da-meia-noite-25012018

 

 

 

Compartilhar: