Suspeitas de febre amarela chegam a GO e MS, casos agora afetam 78 cidades

FOTO: REPRODUÇÃO

Até o momento, foram confirmados 72 casos de febre amarela no País, incluindo 40 mortes. Tanto Goiás quanto Mato Grosso do Sul requisitaram doses extras da vacina

O número de casos suspeitos de febre amarela cresceu 25% em dois dias. No momento, laboratórios públicos investigam amostras coletadas de 455 pacientes. Na segunda-feira, 23, eram 364. Além do aumento, as suspeitas se estendem pelo País. Um caso foi registrado em Goiás e outro, no Mato Grosso do Sul. Com isso, sobe para seis o número de Estados que apresentam pacientes com sintomas da infecção.

Até o momento, foram confirmados 72 casos de febre amarela, incluindo 40 mortes. Tanto Goiás quanto Mato Grosso do Sul requisitaram doses extras da vacina. Foram enviadas 30 mil doses para Goiás e 25 mil, para o Mato Grosso do Sul.

O coordenador do departamento de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, afirmou que o que mais chama a atenção do surto desse ano é a velocidade da expansão do número de casos. Não há ainda uma explicação definida para esse aumento tão expressivo. Os primeiros registros começaram a ser feitos em Minas, no início do mês.


LEIA MAIS…
Com suspeitas em 4 Estados, País vive maior surto de febre amarela em 14 anos

O Brasil vive o maior surto de febre amarela em 14 anos. Até terça-feira, 24, foram confirmados 70 casos da doença, com 40 mortes. Desse total, 21 são de pacientes que apresentaram os primeiros sintomas em meados de dezembro. O maior número de casos até então havia sido em 2003, quando foram confirmados 64 pacientes com febre amarela. Há ainda no País outros 364 casos em investigação, incluindo 49 óbitos.

Além do aumento expressivo do número de casos, a doença atinge um número maior de Estados e municípios neste ano. Em 2003, com o surto em Minas, os casos se espalharam por menos de 20 municípios do Estado. Agora, pelo menos 40 cidades apresentam registros de pacientes com suspeita da infecção. Há notificações também em Espírito Santo, Bahia e São Paulo. No total, 60 cidades do País já relataram casos suspeitos.

"Não há dúvidas de que os casos vêm em maior número e atingem uma área maior", afirma o infectologista da Fundação Oswaldo Cruz, André Siqueira. Para ele, não há um fator único que explique a expansão.

Entre as causas estariam maior circulação do vírus, desmatamento e mudanças do clima que favorecem a proliferação dos mosquitos transmissores da forma silvestre da doença. Ao jornal O Estado de S. Paulo, na terça-feira, 24, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que o governo também analisa a tese de que o surto em Minas pode estar relacionado à tragédia do rompimento da barragem em Mariana, que afetou o equilíbrio ecológico do Rio Doce em 2015. "Isso é uma tese que está sendo desenvolvida e nós estamos aguardando eventual confirmação." 

Ação tardia. Siqueira não descarta a possibilidade de que medidas de contenção tenham sido feitas de forma tardia. "Desde o fim do ano passado há registros de morte de macacos, um indício de que o vírus da febre amarela poderia estar circulando de forma mais intensa", disse Siqueira. Para ele, com as notificações, seria necessário intensificar a vacinação da população suscetível.

O subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas, Rodrigo Said, garante, porém, que medidas foram adotadas rapidamente. "Os registros de casos em humanos começaram na primeira semana de janeiro. Providenciamos imediatamente vacinação de bloqueio." De acordo com ele, não foram identificadas com antecedência mortes de animais. "Começaram a ser notadas simultaneamente aos registros de casos suspeitos na população."

Siqueira avalia que óbitos provocados pela doença poderiam ter sido evitados. "Os casos aconteceram, em sua maioria, em áreas consideradas de risco. Por que a população não estava vacinada?" Para o pesquisador, o argumento de que o País vive ciclo de aumento de casos da doença a cada 7 ou 10 anos não é suficiente para explicar os casos. "Isso é um atestado de incapacidade de autoridades de saúde. Existe uma vacina contra a doença, uma vacina eficaz. Se há maior risco a cada ciclo de 7, 10 anos, por que medidas não são adotadas?" Ele defende, por exemplo, que campanhas periódicas sejam feitas, sobretudo em áreas de risco.

O professor da Universidade de Brasília (UnB), Pedro Tauil, afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo considerar necessária, passado esse período de aumento expressivo de casos, uma discussão mais aprofundada sobre a forma como a vacina é ofertada para a população. Uma das possibilidades que precisam ser discutidas, disse, é incluir o imunizante na rotina de imunização. 

Na terça-feira, 24, o ministro Barros ressaltou que "o Brasil tem capacidade técnica, de assistência, pessoal, infraestrutura e de vacinas, para bloquear esse surto". "Agora, depende efetivamente de as pessoas irem à vacinação e de técnicos agirem corretamente quando surge cada caso."

Barros declarou que a pasta não trabalha com a hipótese de o surto se alastrar para as áreas urbanas. "Mas, evidentemente, se a pessoa pega a doença na mata e vem para a cidade, pode transmitir. O fato concreto é que temos controle máximo dos casos para evitar que isso aconteça", ressaltou, considerando a possibilidade de retomada da transmissão por meio do Aedes aegypti.

Imunização. A imunização em Minas é considerada baixa. Cerca de 50% da população está vacinada contra febre amarela. Em São Paulo, onde também há casos (veja ao lado), o índice chega a 80%. O coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, o infectologista Marcos Boulos, no entanto, afirma ser necessário atingir a marca de 95% em áreas consideradas de risco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhar: