Marconi diz que Temer se comprometeu com desinterdição da BRF em Mineiros

FOTO: HUMBERTO SILVA

Marconi foi porta-voz de um grupo formado pelo governador do Paraná, Beto Richa, o vice-governador de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira, e de representantes dos governos de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul

Na Tecnoshow, em Rio Verde, o governador Marconi Perillo disse que foi muito proveitosa a visita feita na segunda-feira, dia 3, ao presidente Michel Temer, percebendo grande empenho dele em encontrar uma solução urgente para a volta do funcionamento da fábrica da BRF em Mineiros. Marconi foi porta-voz de um grupo formado pelo governador do Paraná, Beto Richa, o vice-governador de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira, e de representantes dos governos de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

“O resultado foi positivo. Eu falei claramente da nossa preocupação quanto à desinterdição da unidade fabril de Mineiros. Eu destaquei a importância dos empregos que são gerados aqui em Rio Verde e tratamos de outras questões relacionadas à carne e ao agronegócio. Eu senti da parte do presidente não só preocupação, mas iniciativas que têm como objetivo superar esse trauma que o Brasil sofreu nos últimos 30 dias”, relatou Marconi.

O presidente da Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg), José Mário Schreiner, disse que com a Operação Carne Fraca “o agronegócio já perdeu R$ 1 bilhão” com a paralisação dos negócios. Para ele, “a comunicação foi equivocada, apesar de o presidente Temer e do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, estarem trabalhando firme para que a situação seja contornada”.

Marconi lembrou que o interesse do presidente Temer casa-se com o dos governadores, porque percebe que “o agronegócio tem sustentado o Brasil”, devido seu peso na balança comercial e na sustentação do mercado interno. “Há muitos anos que o agronegócio tem sido responsável pelo sucesso das exportações brasileiras, superávit da balança comercial, pela geração de empregos e aumento do PIB”, frisou o governador.

BRF de Mineiros
Já se estende há quase 20 dias a interdição da fábrica da BRF em Mineiros, na região Sudoeste de Goiás, desde a deflagração da Operação Carne Fraca. Durante esse período, mais de 300 mil perus deixaram de ser abatidos na unidade. Funcionários e comerciantes estão apreensivos diante da possibilidade de os prejuízos serem ainda maiores.

Mineiros tem cerca de 60 mil habitantes, dos quais 10 mil estão ligados direta ou indiretamente à BRF. E não são apenas os funcionários que temem possíveis demissões, os comerciantes dizem que já sentem o impacto na queda das vendas.

A interdição da fábrica também gerou reflexos nas vendas dos produtores de milho que comercializam sua produção antecipadamente para ser transformada em ração. Muitos dizem que ainda não conseguiram fechar os negócios. Nessa mesma época do ano passado, em torno de 45% a 50% já tinham sido comercializadas. Esse ano está em 5%. As empresas estão esperando uma definição para o caso e com isso acabam travando o mercado.

Prejuízo maior está sendo sentido pelas granjas, onde estão estocados cerca de 300 mil perus em condições de abate. Por dia 25 mil perus e 115 mil frangos eram abatidos na BRF.

A empresa garantiu que pagará os salários e benefícios integrais aos 2.250 funcionários da fábrica de Mineiros, independente do período de paralisação.

Compartilhar: