Tite admite que risco de seleção ficar fora da Copa do Mundo “é real”

FOTO: REPRODUÇÃO

Tite: "Estou aqui, infelizmente, por uma situação em que o resultado não veio. É um fato real. O risco há? Há, mas há toda a qualidade de um trabalho”

Ao assumir uma seleção brasileira que ocupa a sexta posição na tabela das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018 – e, portanto, fora da zona de classificação -, o técnico Tite não fez rodeios e admitiu "risco real" de o Brasil ficar fora do Mundial da Rússia, o que seria algo inédito na história. O treinador, contudo, aposta no crescimento do time e afirma que o trabalho que começa agora dará condições de a seleção ir à Copa.

"O foco é a classificação para o Mundial, e nós não estamos numa posição de classificação. É fato real que pode, sim (ficar fora) e o trabalho todo vai ser desenvolvido nesse sentido. Eu acredito que o trabalho vá dar essa condição. Mas, corre-se o risco, claro. Se você não aceitar as possibilidades reais que estão na nossa frente, você vai estar fugindo da realidade", afirmou o técnico, durante a sua apresentação.

"Estou aqui, infelizmente, por uma situação em que o resultado não veio. É um fato real. O risco há? Há, mas há toda a qualidade de um trabalho, e agora eu quero me integrar, para ver ajuste e crescimento para que a gente busque essa classificação" declarou Tite.

O técnico viaja nesta terça-feira para os Estados Unidos para acompanhar a semifinal da Copa América Centenário entre Colômbia e Chile, na quarta-feira. Os colombianos serão os adversários do Brasil em setembro, pela oitava rodada das Eliminatórias, em Manaus. Antes, Tite fará a estreia no comando da seleção diante do Equador, em Quito, no dia 2 de setembro.


LEIA MAIS…
Tite não garante Neymar como capitão da seleção brasileira

Principal jogador do Brasil, mas questionado pelo temperamento que vem demonstrando dentro e fora de campo, o atacante Neymar pode perder a braçadeira de capitão da seleção sob o comando de Tite. Apresentado nesta segunda-feira, o técnico apontou para a possibilidade de fazer um rodízio de capitães nos primeiros jogos.

"Todos têm uma responsabilidade em cima da performance. Essa é a grande marca de uma equipe de futebol. E essa mudança de capitão te traz isso, porque existem diversos perfis de liderança: a técnica, a comportamental, a de externar ao público certas questões, aquele que é exemplar na parte disciplinar. Quero fomentar essa relação. Ganhou um, ganham todos. A alegria de um é de todos", afirmou o treinador.

Tite não quis se aprofundar sobre o comportamento de Neymar, que ficou de fora de partidas importantes pela seleção por estar suspenso, e que chamou de "babacas" os que criticam o trabalho da seleção.

"A partir deste momento eu começo a interagir. Não adianta eu falar 'vai ser assim, vai ser assado'. Uma coisa que eu acredito é que o lado humano potencializa o lado profissional. Eu cheguei aqui e a perna estava balançando, é o lado humano", afirmou. 

"A única coisa que eu posso assegurar é que todos, inclusive o Neymar, querem o melhor para a seleção. Compete a nós, enquanto equipe, encontrar o melhor caminho, buscarmos o melhor caminho. E eu começo a trabalhar agora o processo de potencializar esse melhor caminho."

Compartilhar: