Ex-goleiro Bruno deixa a prisão após habeas corpus do STF

FOTO: REPRODUÇÃO

Ex-goleiro Bruno deixa a prisão na grande Belo Horizonte, onde cumpria pena de 22 anos e três meses de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samúdio

O ex-goleiro Bruno deixou por volta das 19h30 de sexta-feira, 24, a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte, onde cumpria pena de 22 anos e três meses de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samúdio, com quem teve um filho. A defesa do jogador conseguiu no último dia 21 habeas corpus para que o atleta fosse libertado.

A decisão partiu do ministro Marco Aurélio Mello. No pedido de habeas corpus, a defesa de Bruno alega que o jogador, preso há quase sete anos, não teve analisado, até o momento, recurso contra seu julgamento, ocorrido em 2013, pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Bruno deixou a Apac com a mulher Ingrid Calheiros, e advogados.

Na decisão, o ministro afirma que "a esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há seis anos e sete meses" e que "nada, absolutamente nada, justifica tal fato. A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação da apelação, mas jamais à projeção, no tempo, de custódia que se tem com a natureza de provisória".


LEIA MAIS…
Advogado diz que ex-goleiro Bruno tem propostas para voltar a jogar

O advogado do ex-goleiro Bruno Fernandes disse, em entrevista à Rádio Estadão na sexta-feira, 24, que seu cliente recebeu emocionado a notícia de que seria solto e já tem propostas para voltar a jogar. "Ele não esperava. Chorou, me abraçou, agradeceu muito, emocionado", contou Lúcio Adolfo.

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar ex-goleiro, acusado de matar a ex-amante Eliza Samudio. A decisão em caráter liminar foi tomada na terça-feira, 21. O advogado disse não temer que a liminar caia: "Em liberdade, nós vamos poder provar que ele não põe risco a ninguém".

Adolfo comentou ainda a decisão do Supremo. "Eu recebi (a decisão) agradecido e principalmente estou confortável de saber que minha tese encontra eco na compreensão do judiciário brasileiro. O Bruno é primário, de bons antecedentes, tem trabalho licito. E está preso há sete anos, provisoriamente. Isso é um absurdo." 

O advogado disse que, ao ser solto, o ex-goleiro, deve tentar retomar a carreira no futebol. "Sei que tem propostas de trabalho em alguns times de futebol até para jogar campeonatos estaduais por aí e ele vai tomar o caminho que achar melhor. Ele vai se dedicar, está com 30 anos, tem aí um bom período, se conseguir superar as dificuldades do retorno à vida social."

Compartilhar: