A quatro meses das Olimpíadas do Rio, obras inacabadas estouram orçamento em 40%

FOTO: REPRODUÇÃO

As edificações olímpicas sofreram um duro baque com a quantidade de construtoras envolvidas na Lava Jato

As "desastrosas" obras olímpicas estão calando os críticos. Faltando quatro meses para o começo dos Jogos do Rio de Janeiro, 95% das construções estão completas ou em fase de acabamento. A maior preocupação da organização é o Velódromo, mas o local receberá um evento-teste em junho e colocará à prova a qualidade das obras feitas de forma apressada.

Outro fator que desperta apreensão é o custo olímpico: os Jogos estavam orçados em R$ 28 bilhões, mas alcançaram a marca de R$ 40 bilhões ? um aumento de 42%. A título de comparação, a Olimpíada de Londres em 2012 teve um orçamento inicial de R$ 36 bilhões, mas gastou-se menos que o previsto, e a conta foi fechada R$ 4 bilhões mais barata.

As edificações olímpicas sofreram um duro baque com a quantidade de construtoras envolvidas na Lava Jato. O prefeito Eduardo Paes reconheceu que as investigações tiveram impacto nas obras, mas garantiu que não prejudicaram os trabalhos. As várias empresas delatadas foram obrigadas a respeitar os contratos e evitar qualquer ilegalidade para não caírem nas mãos da Polícia Federal 

Porém, os problemas não acabam apenas nas esferas estrutural e financeira. O surto do vírus Zika está preocupando os atletas de todo o mundo e colocando os profissionais de medicina para trabalharem em dobro e, assim, evitar um problema maior durante os Jogos. Outro ponto que faz a organização "perder o sono" é a baixa venda de ingressos ? somente 50% das entradas foram negociadas, o que não impediu a formação de um mercado paralelo. A Polícia do Rio de Janeiro prendeu 10 cambistas com 700 bilhetes para as competições.


LEIA MAIS…
Comissão do COI se reúne no Rio para resolver 'milhares de pequenas questões'

Começou ontem, 12, no Rio a décima e última reunião da Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (Cocom) para os Jogos Olímpicos Rio-2016. Após seis anos de encontros, a organização dos Jogos chega à reta final com muitas coisas a serem feitas. Os detalhes a serem resolvidos podem ser pequenos, mas são em grande número

"Como a presidente (da Cocom) Nawal El Moutawakel falou: 'São milhares de pequenas questões que precisam ser resolvidas, ajustadas no cronograma'. O que se sobressai é essa necessidade de acertar os detalhes. Pode ser na energia, segurança ou transporte", comentou o ministro interino do Esporte, Ricardo Leyser.

Ligado aos Jogos do Rio desde a época da campanha para que a cidade fosse sede da Olimpíada de 2016, Leyser, que já coordenou a organização do Pan de 2007, conta que a operação dos Jogos é o principal tema dessa última reunião.

"É um momento de muito trabalho. A infraestrutura, espinha dorsal dos Jogos, está pronta, mas é preciso operar o evento. Isso não é um desafio menor. A operação também é tão desafiadora quanto a construção da estrutura. A operação vai dizer se os Jogos irão ser perfeitos", explicou Leyser.

Compartilhar: