Consumidores registram em abril o menor nível histórico de confiança, aponta FGV

FOTO: AGÊNCIA BRASIL

O resultado de abril foi influenciado tanto pela piora na avaliação do presente quanto pelo maior pessimismo sobre o futuro

A recuperação ensaiada pela confiança do consumidor no início do ano não se confirmou, e o índice caiu 2,7 pontos em abril ante março, na série com ajuste sazonal, informou nesta terça-feira, 26, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) fechou o mês em 64,4 pontos, o menor nível da série histórica, iniciada em setembro de 2005.

"Os consumidores brasileiros registram em abril de 2016 o menor nível histórico de confiança, sob influência da extrema insatisfação com o momento presente e do pessimismo em relação à situação financeira das famílias. O resultado decorre de um cenário econômico e político que parece difícil de ser resolvido rapidamente", avalia a economista Viviane Seda, coordenadora da Sondagem, em nota oficial.

O resultado de abril foi influenciado tanto pela piora na avaliação do presente quanto pelo maior pessimismo sobre o futuro. O Índice de Expectativas (IE) recuou 3,2 pontos ante março, para 65,8 pontos. Já o Índice de Situação Atual (ISA) caiu 1,6 ponto no período, para 64,7 pontos.

Na comparação de abril contra igual mês do ano passado, o ICC recuou 10,0 pontos. O índice, calculado dentro de uma escala de pontuação de até 200 pontos (quanto mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor), tem média histórica, que considera os últimos cinco anos, em 100,0 pontos.

Segundo a FGV, o levantamento abrange amostra de mais de 2,1 mil domicílios em sete capitais, com entrevistas entre os dias 04 e 21 deste mês.


LEIA MAIS…
FGV: famílias sentem que situação financeira pode piorar

As famílias brasileiras sentem que a situação financeira está ruim e ainda pode piorar nos próximos meses. O indicador dá uma ideia de que os brasileiros estão com o orçamento apertado e têm dificuldades para pagar as contas do mês. Essa preocupação foi a principal razão para a queda de 2,7 pontos na confiança dos consumidores em abril ante março, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O indicador que mede a satisfação dos consumidores com a situação financeira da família no momento atual caiu 4,1 pontos, ao passar de 61,0 pontos em março para 56,9 pontos neste mês. Já o indicador que mede o grau de otimismo em relação aos próximos seis meses é o que mais contribuiu negativamente em abril, com queda de 8,9 pontos. Ambos os indicadores atingiram o menor nível da série iniciada em setembro de 2005.

"O resultado decorre de um cenário econômico e político que parece difícil de ser resolvido rapidamente", avalia a economista Viviane Seda, coordenadora da Sondagem, em nota oficial.

No sentido contrário, as avaliações sobre a situação econômica do País registraram melhora neste mês. Em relação ao presente, a alta foi de 0,9 ponto. Já sobre o futuro, houve avanço de 4,7 pontos na passagem do mês.

Compartilhar: