Mulher de Lula, ex-primeira-dama Marisa Letícia morre em São Paulo

FOTO: REPRODUÇÃO

Conhecida pelo "sangue quente", dona Marisa era quem cuidava das finanças da casa e "quem mandava" no lar, segundo relatos do próprio ex-presidente

A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, de 66 anos, mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, morreu na sexta-feira, 3, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde estava internada desde terça-feira, 24, vítima de complicações de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Boletim médico informou que Marisa morreu às 18h57. 

Ela deixa quatro filhos, um de seu primeiro casamento e três do casamento com Lula.

Com ascendência italiana por parte do pai e da mãe, Marisa nasceu em 7 de abril de 1950 em São Bernardo do Campo (SP). De origem humilde, sua família morava em uma casa de pau-a-pique e chão batido. Começou a trabalhar aos nove anos como babá, aos 13 tornou-se embaladora de bombons da fábrica Dulcora. Aos 21, casou-se com o motorista Marcos, que foi morto durante um assalto quando ela estava grávida de quatro meses do primeiro filho, Marcos Cláudio.

Em 1973, conheceu Lula, na época também viúvo, quando foi até o Sindicato dos Metalúrgicos buscar um carimbo para retirar sua pensão. No ano seguinte eles se casaram. Tiveram três filhos ¬- Luis Cláudio, Fábio Luis e Sandro Luis – e ficaram juntos desde então.

Conhecida pelo "sangue quente", dona Marisa era quem cuidava das finanças da casa e "quem mandava" no lar, segundo relatos do próprio ex-presidente.

Avessa aos holofotes, ajudou na formação do PT. Responsável pelas fichas de inscrição da sigla na época, muitas vezes ela saia às ruas para cadastrar novos filiados, buscando convencê-los da importância de montar um partido dos trabalhadores. 

Das campanhas eleitorais de Lula à Presidência, ela teve participação ativa, viajando ao lado do marido e até subindo nos palanques. Na jornada de 2002, quando o marido elegeu-se pela primeira vez presidente do Brasil, ela ajudou Lula a melhorar sua imagem junto ao eleitorado feminino. Com a vitória do petista, tornou-se a primeira ex-babá a virar primeira-dama do País.


LEIA MAIS…
Nas redes sociais, solidariedade e politização nos comentários sobre Dona Marisa

Quando a notícia de que o ex-presidente Lula e sua família teriam autorizado o procedimento de doação de órgãos após constatação da morte cerebral da ex-primeira dama Marisa Letícia as redes sociais, as reações variaram entre a solidariedade à família e homenagens – a maioria – e a politização do tema.

Entre as mensagens mais polêmicas, houve quem comemorasse ou escrevesse coisas como "aqui se faz, aqui se paga" ou insinuasse interesses políticos na morte da ex-primeira-dama. Um meme, compartilhado à exaustão pelas redes, acusava Lula de "capitalizar com a tragédia". Uma celebridade da televisão e que ano passado participou de diversas manifestação contra o governo Dilma chegou a xingar o ex-presidente.

Também não faltou quem tenha acusado o juiz Sérgio Moro de ser o responsável pelo Acidente Vascular Cerebral (AVC) de Marisa Letícia. Em sua conta de Twitter, o Frei Leonardo Boff escreveu: "Sérgio Moro, ‘evangélico piedoso’, deveria ir à igreja pedir perdão a Deus pelos excessos cometidos contra a Marisa e a família Lula da Silva". 

Deputados e políticos ligados ao PT também fizeram críticas parecidas. Nas áreas de comentários de algumas páginas do Facebook, internautas brigavam com quem "comemorou" a morte de Marisa ou "com quem culpou Sérgio Moro" pelo falecimento. 

Mas as homenagens e a solidariedade também deram o tom da reação virtual. A foto em que o também ex-presidente Fernando Henrique Cardoso abraça o ex-presidente Lula foi bastante difundida e usada como exemplo de solidariedade (Lula fez o mesmo quando Ruth Cardoso faleceu). 

Depois de saber sobre a condição de Marisa Letícia, o fotógrafo Bob Wolfenson postou, em seu Instagram, foto da família Lula da Silva, feita em 1978. Depois dela, outras fotos históricas de Marisa e Lula ganharam espaço nas redes. 

O cantor Emicida escreveu: #forçalula! (se não conseguir demonstrar o mínimo de compaixão nesse momento e vier falar asneira aqui vai ser excluído e bloqueado mesmo). 

Até mesmo a conta oficial no Twitter do Corinthians, time do coração da ex-primeira-dama, publicou uma foto da ex-primeira dama ao lado do jogador Ronaldo. "O Corinthians não seria um dos maiores clubes do mundo sem o apoio das queridas corintianas. E Dona Marisa foi uma delas. Descanse em paz".


Manifestações de pesar por Marisa Letícia e apoio a Lula se multiplicam nas redes

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva tem recebido manifestações de pesar e apoio nas redes sociais por causa do quadro da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Na página oficial do petista no Facebook, foi reproduzida uma mensagem do rapper Mano Brown. 

"Quando perdi minha mãe, o sr. foi um dos primeiros a me ligar e suas palavras de conforto foram como uma homenagem a ela. Receba meu abraço forte e sincero nesse momento!”, registrou Brown.

"O casal mais 100% BR da História Planetária eternamente!!!!! Que Deus os Ampare e a todos nós TB!!!!!", escreveu Flavio Lacerda. 

Outro internauta deixou a mensagem: "Forças nosso presidente! Sua senhora está com Deus. Não ligue para os comentários dos coxinhas abutres. Deixe o ódio para quem tem ódio. Lula Lá presidente 2018!!!"

"Agradecemos mais uma vez todo o carinho dos que querem prestar suas últimas homenagens a nossa querida Dona Marisa Letícia", postou a equipe do ex-presidente Lula na rede social nesta sexta-feira, 3.

Os médicos do Hospital Sírio Libanês realizam na manhã desta sexta-feira, 3, mais uma série de exames na ex-primeira-dama, internada desde a semana passada depois de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). Marisa Letícia está sem atividade cerebral desde quinta-feira. 

A equipe médica, que fará a coleta das córneas, quer esperar passar 24 horas de suspensão da sedação e não as 18 horas previstas para abrirem o protocolo de morte cerebral.


Sírio-Libanês demite médica suspeita de vazar exame de Marisa Letícia

O Hospital Sírio-Libanês desligou de seus quadros a médica Gabriela Munhoz, suspeita de divulgar em redes sociais resultados de exames da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva. O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) abriu uma sindicância para apurar se houve violação ao Código de Ética por parte da profissional ou participação de médicos em supostas ofensas contra a mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo o jornal O Globo, Gabriela, de 31 anos, formada pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, divulgou no grupo do WhatsApp de ex-colegas da faculdade detalhes sobre o diagnóstico da ex-primeira-dama. A partir daí, a informação se espalhou por outros grupos em alguns dos quais médicos fizeram ofensas à mulher de Lula.

"O Sírio-Libanês tem uma política rígida relacionada à privacidade de todos os seus pacientes e repudia a quebra do sigilo de pacientes por qualquer profissional de saúde. Por não permitir esse tipo de atitude entre seus colaboradores, a instituição tomou as medidas disciplinares cabíveis em relação à médica, assim que teve conhecimento da troca de mensagens", disse o hospital, em nota.

Outro caso
Este é o segundo vazamento de resultados de exames de Marisa Letícia em redes sociais. Na semana passada, o hospital Assunção em São Bernardo do Campo, onde a ex-primeira-dama recebeu o primeiro atendimento depois de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC), afastou preventivamente todos os profissionais que participaram do procedimento e abriu sindicância para apurar a divulgação de vídeo e foto da tomografia à qual ela foi submetida.

O Cremesp também instaurou um procedimento para averiguar o caso. O Código de Ética Médica proíbe a divulgação de informações sem consentimento do paciente ou de seus familiares. A quebra do sigilo médico é considerada infração grave. Segundo o Cremesp, o resultado das sindicâncias deve ser conhecido em até seis meses. 

"O exercício da medicina deve respeitar e preservar todos os aspectos do doente: físico, emocional e moral, transcendendo tabus, crenças e preconceitos, em nome da fidelidade ao compromisso de tratar e cuidar de todos, sem qualquer distinção. Sob o juramento hipocrático e os princípios fundamentais da medicina, todo médico deverá 'guardar absoluto respeito pelo ser humano e atuar sempre em seu benefício. Jamais utilizará seus conhecimentos para causar sofrimento físico ou moral, para o extermínio do ser humano ou para permitir e acobertar tentativa contra sua dignidade e integridade'", diz a entidade. 

Amigos da família de Marisa Letícia lamentaram os vazamentos. A reportagem não conseguiu localizar a médica Gabriela Munhoz na quinta-feira, 2.

Compartilhar: