ES terá ‘Arca de Noé’ para salvar peixes antes da chegada da lama das barragens

Foto: Reprodução

"Operação Arca de Noé" visa a retirada de peixes vivos ao longo do curso do Rio Doce, que corta o estado do Espírito Santo

Compartilhar:

O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público Estadual do Espírito Santo (MPE-ES) se preparam para deflagrar o que denominaram de "Operação Arca de Noé" para retirada de peixes vivos ao longo do curso do Rio Doce, que corta o Estado. A lama proveniente do rompimento das barragens em Mariana (MG) tem matado 100% dos peixes por onde passou até agora e se aproxima da divisa de Minas Gerais com o Estado capixaba.

O plano visa a evitar a mortandade dos animais e contará com o apoio da mineradora Samarco, dona das barragens rompidas em Minas. Segundo o MPF, a empresa está oferecendo suprimentos para captura e transporte dos peixes. 

A medida emergencial será realizada com ajuda de pescadores da região, profissionais ou não. O local de destino dos peixes ainda não foi definido. "A princípio, serão alocados nas lagoas da Cobra Verde, em Colatina, e na do Limão, em Linhares. Também estão sendo sondados locais próximos à hidrelétrica de Mascarenhas, em Baixo Guandu", informou o MPF em nota.

O Ministério Público declarou não ter certeza sobre o nível de contaminação dos peixes na região e ressaltou que não foi permitido a pesca indiscriminada, mas, sim, o resgate e a soltura dos animais em locais predeterminados. 

As cidades de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, no noroeste capixaba, vivem a expectativa da chegada da onda de rejeitos, que deverá causar uma série de transtornos para a região. Além dos danos ambientais, um problema previsto será a interrupção na captação de água do Rio Doce para abastecimento humano. Os municípios elaboraram planos emergenciais para contar com caminhões-pipa no período e também buscam fontes alternativas.

Análise mostra metais pesados no Rio Doce
O resultado da análise laboratorial das amostras de água coletadas no Rio Doce, em Minas, apontou níveis acima das concentrações aceitáveis de metais pesados como mercúrio, arsênio, ferro e chumbo na lama que escorreu para o rio com o rompimento das barragens em Mariana (MG). O prefeito de Baixo Guandu (ES), Neto Barros (PCdoB), confirmou a informação.


"Para se ter uma ideia, a quantidade de arsênio encontrada na amostra foi de 2,6394 miligramas e o aceitável é de no máximo 0 01 miligrama", afirmou. "Encontramos praticamente a Tabela Periódica inteira na água." Em nota, a Samarco afirmou que o rejeito armazenado nas barragens não era tóxico e disse desconhecer o laudo técnico.

Compartilhar: