Dilma elogia ‘espírito democrático’ das eleições venezuelanas

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Dilma: "Essa região foi a que mais incluiu e mais garantiu participação dos nossos povos no desenvolvimento da sociedade"

A presidente Dilma Rousseff tomou partido pela Venezuela na discussão sobre direitos humanos durante a 49ª Cúpula do Mercosul, em Assunção, no Paraguai. Ela saudou o presidente Nicolás Maduro e o povo venezuelano pelo "espírito democrático" das últimas eleições.

Segundo Dilma, a principal conquista do Mercosul foi a consolidação e construção da democracia depois de anos de autoritarismo. "Essa região foi a que mais incluiu e mais garantiu participação dos nossos povos no desenvolvimento da sociedade", discursou a presidente. Depois, elogiou as eleições na Argentina e na Venezuela. 

Maduro desistiu de comparecer à cúpula alegando problemas domésticos. No entanto, os chanceleres não chegaram a um acordo sobre duas medidas propostas pelo Paraguai que garantia o compromisso da Venezuela com os direitos humanos, incluindo a possibilidade de o país ser suspenso do bloco, caso não seguisse as determinações. 

A Argentina também defendeu uma posição mais firme do bloco na declaração dos presidentes sobre o tema dos direitos humanos. Antes de Dilma, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, pediu à Venezuela que liberte os presos políticos. Ele defendeu que o Mercosul busque "democracias verdadeiras".

Compartilhar: