Cármen Lúcia propõe conciliação e prudência

FOTO: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

Cármen Lúcia: "É da independência e harmonia dos Poderes que nós teremos de extrair as diretrizes para a fixação do julgamento e definição do julgado"

Em busca de uma pacificação entre os Poderes, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, manteve no julgamento desta quarta-feira, 7, o tom conciliador que adotou desde terça-feira, quando o ministro Marco Aurélio Mello resolveu submeter ao referendo da Corte a liminar em que determinava o afastamento de Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado.

Articuladora das discussões internas no Supremo, a ministra buscou passar a mensagem de que, em momento algum, o STF agiu com "desrespeito a qualquer dos Poderes". "Nem aceitaríamos que o nosso comportamento fosse assim interpretado", afirmou.

A ministra disse que "vivemos momentos difíceis" e "impõe-se, de uma forma muito especial, a prudência do direito e dos magistrados, o que estamos reiteradamente a fazer". "É da independência e harmonia dos Poderes que nós teremos de extrair as diretrizes para a fixação do julgamento e definição do julgado."

O tom apaziguador perpassou os votos da maioria dos ministros. "Não estamos agindo com temor nem com receio, estamos agindo com a responsabilidade política que se nos impõe", disse Luiz Fux, que também votou para derrubar o afastamento de Renan.

Teori Zavascki também reforçou a legitimidade da votação, ao proferir seu voto. "Seja qual for a decisão que aqui for tomada hoje, representará uma decisão não desse ou daquele juiz. Será decisão da Suprema Corte do País e, com essa autoridade, haverá de ser acatada e cumprida fielmente", disse.

Solidariedade
Cármen Lúcia defendeu a liminar de Marco Aurélio. Ela somou-se a ministros que expressaram desconforto com comentários feitos por colegas sobre decisões de outros pares. "Qualquer decisão judicial desagrada, e o desagrado pode levar a qualquer tipo de observação. O que não se pode é se colocar em causa a honorabilidade e principalmente a correção ética, intelectual, do juiz, porque isso coloca em risco até mesmo as instituições", disse. 

A ministra também reforçou a importância de se cumprir mandados judiciais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhar: